Viagem Cervejeira – Córdoba (ARG) | MBB Viaja

Por Nadhine França

Vamos falar de coisa boa! A tekpix… Viajar é bom demais né!

O passeio cervejeiro de hoje é na terra dos hermanos. Dando uma volta por Córdoba deu pra perceber que a cidade tá fervendo quando o assunto é cerveja artesanal. Vários pubs recém abertos e muito pra crescer ainda! Fiquei na área que eles chamam de Nova Córdoba, então só vou falar das coisas que encontrei por lá.

Nem só de Fernet vivem os Hermanos…

Capitán

Foto: Nadhine França

Vamos começar pelo Capitán…

Eu amo o estilo industrial… e ele tá super em alta em Córdoba. O Capitán fica no final de um Galpão imenso com várias outras lojas super legais. Com uma estrutura super imponente toda de concreto e canos metálicos pintados de vermelho.

No tap, várias opções de cervejas artesanais de cervejarias locais pra agradar todos os gostos, desde as mais frescas e leves às super lupuladas ou super maltadas.

Ambiente descolado que vale uma visitinha.

22730488_930540507098381_8892680853674594971_n

Foto: divulgação

PEÑON

Música eletrônica, cerveja artesanal, num ambiente moderno e com um atendimento super gentil.

20170916_200943.jpg

Foto: Nadhine França

A conversa pode até ficar difícil…mas as cervejas e o atendimento fazem a casa ser visita obrigatória. Nos taps: as cervejas fixas da casa, duas experimentações e duas convidadas.

Tinha uma Barley wine que tava incrível. As cervejas de linha da casa podem ser compradas em latinhas por lá e tem um preço bem bonzinho.

Foto: Nadhine França

Foto: Nadhine França

Cuatro Catorce

Foto: Nadhine França

A Cuatro Catorce támbem fica numa galeria de lojas que era um galpão (que vale muito a visita, além de linda, tem sorveteria, cafeteria, e lojinhas muito legais: Muy Guemes), um local descontraído que esbanja possibilidades de interações sociais.

20170917_004735

Foto: Nadhine França

 Antares

O pub da cervejaria Antares fica super bem localizado. Já é um ambiente pra você comer e beber mais tranquilo com os amigos (apesar de poder ficar cheio e com filas…).  Petiscos e hambúrgueres bem gostosos. Cervejas um pouco mais conhecidas em terras brazucas.

Foto: Nadhine França

Foto: Nadhine França

Foto: Nadhine França

The Barbeer

É isso mesmo…uma barberaria e cervejaria. Bem legal por sinal!

Foto: Nadhine França

Fica a dica

  • É legal perguntar sempre se o local aceita cartão de crédito (tarjeta) , muitos locais não aceitam.
  • Outra dica legal é aproveita que a cidade é bem universitária, nos happy hours da vida pois praticamente todos os bares possuem promoções de clone no horário.

Dica extra:

Córdoba fica pertinho da Vila General Belgrano, que além de ter um lago lindo no caminho é uma cidadezinha de arquitetura típica Bavieira que tem uma Oktoberfest super famosa, então você pode se programar pra ir lá nessa época.

20170916_122515.jpg

Fazendo amizades…

Beijos lupulados e felizes! =*

Anúncios

Cerveja com amor: casal PattLou | Cervejarias de PE #03

Por Clarice Concê

Um dos grandes sucessos da história cervejeira no Brasil é esse monte de gente que tá transformando paixão em negócio e fazendo muito sucesso. Mas tá pra nascer uma cervejaria tão repleta de amor como a PattLou. E basta conhecer o casal à frente da empreitada para entender que não havia outra maneira deles entrarem nesse mercado.

Como muitos cervejeiros, Patrícia Sanches e Luiz Picelli (Patt & Lou, sacaram?! ;-)) começaram a fazer cerveja em casa e quando começaram a ganhar prêmios pelo Brasil viram que o negócio estava dando certo. Em 2014 eles produziram 200 litros de cerveja de diversos estilos para servir no casamento deles, antes mesmo de montarem a própria fábrica! Foram necessários quase 2 anos passando pelo processo burocrático para finalmente inaugurar a fábrica, em abril de 2016.

AS CERVEJAS

Carta de cervejas da Patt Lou

As cervejas da Patt Lou são carregadas de sotaque pernambucano, dos nomes aos rótulos, e o cuidado e carinho por trás de cada uma delas fica bem evidente. Já são cinco rótulos lançados, Maracatu American IPA, 4All American Wheat (uma brincadeira com o surgimento do termo “forró”), Mangue Bear Oatmeal Chocolate Porter, Reino da Alegria Saison e Nassour Catharina Sour (feita com amoras, é linda e deliciosa!).

Não podemos esquecer também da Cerveja colaborativa que eles fizeram com o Canal Beer School, no Projeto Beer School Labs, onde produziram a Sahti, uma cerveja histórica que utiliza zimbro, lúpulo no macerado e pedras quentes. =O

CANAL NO YOUTUBE

Como se não bastasse fazer cervejas que conquistam todo mundo, o casal Patt Lou tem um canal no YouTube, no qual compartilham experiência e muito conhecimento. Aliás, foi uma das coisas mais bacanas acompanhar os passos de criação da Reino da Alegria (uma Saison incrível com casca de laranja cravo e cardamomo). Paty e Luiz fizeram 7 fermentações diferentes, para experimentar diversas leveduras, e convidaram sommeliers da cidade para fazer análise sensorial das amostras em um teste cego. Isso é fazer cerveja com amor, minha gente, amor e muita seriedade!

Tá esperando o que para se contagiar do amor da Patt Lou?

Marcolino Tap House

❤ Por Gabi Ramos

 

Inaugura hoje 12/01 a partir das 18h ao som da banda Arcanflô, o mais novo point cervejeiro da zona sul da cidade, o Marcolino tap house que traz a inovação do sistema de auto serviço de chopp, sendo pioneiro no estado de Pernambuco.

O mytapp é um sistema onde o cliente tem controle sobre o que quer beber e quanto quer beber. Funciona assim, você pega um cartão no estabelecimento, coloca crédito (ah, pode fazer isso pelo app também!) e se dirige até as torneiras de chopp, escolhe qual vai beber e a quantidade. Quando você encosta seu cartão no sensor, a torneira é liberada e você vai enchendo seu copo o quanto quiser, na tela aparece a quantidade de líquido que foi consumida e o valor. Sensacional, não é mesmo? O estabelecimento conta com 8 torneiras e não poderia deixar de ter o chopp da casa, um delicioso chopp pilsen que experimentamos ontem, leve, aromático e refrescante, harmoniza perfeitamente com o ambiente, #ficaadica!

Por falar em ambiente, está super agradável… decoração de muito bom gosto, espaço ao ar livre, música de qualidade e um cardápio simples e acertivo. Comidinhas de bar, sem frescura e saborosíssimas, para comer com a mão, jogando conversa fora e apreciando boas cervejas.

Antes que vocês morram de curiosidade, as cervejas que estavam engatadas ontem, custavam em média R$2,60 por 100ml e as porções de comida não passavam de R$20,00. Resta alguma dúvida de que esse será nosso novo lugar favorito?

Dica: Se você quiser pode levar seu copo de vidro, sua caneca favorita, seu growler, enfim… Marcolino é um cara gente boa, fique à vontade!

Vida longa, Marcolino! Cheers!

 

Como chegar?

Chama o motorista da vez e digita no aplicativo: Rua capitão zuzinha, 136. Boa viagem – Recife/PE.

Concurso por voto popular: #QMTP2018

Por Marias Bonitas

Ai ai, o que foi esse Que Malte Pergunte 2018? Ainda vamos fazer um outro post especial para falar desse evento incrível, mas hoje, o foco é falar do concurso por voto popular que aconteceu durante a edição “tem cerveja gringa aí?”.

Neste ano, fizemos questão, para ser justo, que as pessoas experimentassem TODAS as cervejas antes de apurarmos a votação. Por este motivo, a apuração não foi realizada e divulgada durante o evento.

Contamos com a colaboração do app Conectados para realizarmos este concurso por voto popular.

Então sem mais mistérios, vamos lá!

1º Lugar (12 votos)

2º Lugar (5 votos)

  • Cervejaria: São Lourenço
  • Cervejeiro: Gutemberg Rodrigues Alves
  • Premiação: 1 vale de R$ 50,00 na Mascates Loja de Insumos Cervejeiros + 1 vale de R$ 50,00 no Capitão Taberna.

3º Lugar (4 votos)

  • Cervejaria: Cacobeer
  • Cervejeiro: Tiago Nogueira Barbosa
  • Premiação: 1 kit Capitão Taberna com 2 cervejas e um brinde.

Parabéns aos cervejeiros envolvidos e obrigada pela confiança em nosso evento!

Mas não parou por aí não, o pessoal do @naruatem por meio de sua plataforma Conectados, também premiou quem gastou um tempinho para baixar o aplicativo e se cadastrou para gerar o cartão de votação! o/

Premiados

  • Alice Dantas (81 – xxxx- 4403) ganhou um cooler da Maria Bonita Beer recheado de cervejas
  • Márcia Virginia da Silva (81 xxxx-4208) ganhou um vale de R$ 50,00 reais no Apolo Beer Cafe
  • Luiz Ramos (81 xxxx- 5172) ganhou um vale para barba e cabelo no Espaço Homem
  • Diego Souza (81 xxxx- 594) ganhou um vale para barba e cabelo no Espaço Homem

Aos premiados, entrem em contato pelo nosso email: mariabonitabeer@gmail.com e informem nome completo, CPF, e-mail e telefone para que possamos entregar os vouchers personalizados.

Beijos lupulados!

Let’s rock com Caatinga Rocks no QMTP!

Por Clarice Concê

A gente pode até crescer sozinho, mas juntos somos muito mais fortes. Por isso é bom que é danado ver o movimento cervejeiro artesanal dando seus frutos em outros estados do Nordeste. E aí a gente só pode ficar com os olhinhos brilhando por receber uma cervejaria arretada do nosso vizinho Alagoas para enriquecer ainda mais nossa festa.

História

Lançada em fevereiro de 2017, a genuinamente alagoana Caatinga Rocks nasceu das panelas dos irmãos Marcus e Rafael Leal, que uniram a expertise administrativa de um com muito estudo cervejeiro de outro para transformar a paixão em um negócio.

A Caatinga Rocks possui quatro rótulos para lá de irreverentes que retratam bem a mistura do DNA nordestino com a revolução artesanal que acontece ao redor do mundo. O primeiro lançamento da cervejaria é uma Extra Special Bitter que na versão Caatinga Rocks virou a English Serelepe Brasileira, uma ESB com perfil balanceado, premiada com o ouro na categoria English Ales da I Copa da Cerveja POA e eleita cerveja do ano no mesmo campeonato. É para ficarmos todas serelepes com esse prêmio!

Para completar o time ainda temos a Pura Vida Surf Ale, uma cerveja é leve, refrescante e feita com casca de laranja orgânica; a Cangaço Kingdown, uma Double IPA com bastante aroma e sabor de lúpulo nobres americanos; e a Zumbi Republic, uma Imperial Stout mais tropical, com cacau, hortelã e coco queimado.

Foto: Alzir Lima para Stylife.com.br

É ou não é para ficar animada com as cervejarias que estão marcando presença no QMTP?! E tu tá esperando o quê para fazer parte dessa festa? Quer garantir seu ingresso ? O QMTP é hoje, mas ainda dá tempo. Então clica aqui e não fica de fora da festa mais esperada do ano, no calendário cervejeiro de Pernambuco.

Session Rye IPA da Capunga no QMTP 2018

Por Marias Bonitas

Contar a história desse novo movimento da Cerveja Artesanal de Pernambuco, sem falar da Capunga é uma heresia!E é por esta importância nesse cenário que convidamos a Capunga a participar do Que Malte Pergunte 2018.

A Capunga Craft Beer é uma cervejaria artesanal localizada em Pernambuco que atualmente contam com a expertise do nosso querido “Mestre Mozir” para produzir o líquido sagrado. As receitas deles são desenvolvidas com carinho e personalidadeempenho para proporcionar ao nosso consumidor uma experiência que envolve drinkability e boas conversas.

A história

Jovens cervejeiros de panela e apreciadores de boas cervejas, se juntaram para fundar a Cervejaria Capunga em 2015. Edgar e Victor começaram a fazer cerveja em casa em meados de 2013, e sempre tiveram o sonho de ter sua própria cervejaria, quando conheceram Dante e Bruno, que já tinham uma fábrica que produzia chopp pilsen, formaram uma nova sociedade e lançaram a primeira cerveja, um chopp lager em maio de 2015.

Edgar e Victor escolheram o nome Capunga para homenagear a região do Recife onde viveram praticamente toda a vida. Pouco tempo depois, ao ler o livro “A Capunga, crônica de um bairro recifense”, do autor Professor José Antônio Gonçalves de Melo, descobriram que foi na região da Capunga que surgiu a primeira cervejaria de todas as américas, em 1640, fundada por Maurício de Nassau, e comandada pelo cervejeiro holandês Dirc Dicx.

Estilos

A Cervejaria Capunga já conta com mais de 6 estilos (considerando as colaborativas com bares de Recife). Sendo as mais comentadas:
  • American Premium Lager
  • American Pale Ale – APA
  • India Pale Ale – IPA (Cumade Florzinha)
  • Double IPA (Bala de Prata)
  • Capunga Praia
  • Umbucenteio
  • Brown IPA

A Session Rye IPA da Capunga  (5,0%) estará presente no “Que Malte Pergunte… tem cerveja gringa aí?” e você não pode perder.  Quer garantir seu ingresso ? O QMTP é hoje, mas ainda dá tempo. Então clica aqui e não fica de fora da festa mais esperada do ano, no calendário cervejeiro de Pernambuco.

A tradição da Schornstein no QMTP 2018!

Por Clarice Concê

A história da cerveja no Brasil está intimamente ligada à imigração alemã na região Sul do país e é justamente da cidade considerada a mais alemã do país (Pomerode, SC) que vem mais uma cervejaria participante do QMTP 2018: a Schornstein!

LEI DA PUREZA

A tradição cervejeira na Alemanha é fundamental para a história da cerveja. Foi lá que surgiu, por exemplo, a lei de defesa ao consumidor mais ainda em validade: a Lei da Pureza de 1516, ou a Reinheitsgebot, que define a produção de cerveja com quatro ingredientes, sendo eles malte, lúpulo, água e levedura (adicionada no século XVII). É verdade que outras questões estavam envolvidas no desenvolvimento da lei (econômica e política principalmente), mas não podemos negar que muitas pessoas sem conhecimentos cervejeiros tentaram se dar bem no mercado com bebidas de baixa qualidade, usando ingredientes sem qualquer controle, como cogumelos venenosos e até bile de boi!

Mas a Lei da Pureza não foi a única a causar um grande impacto na tradição cervejeira alemã. Durante muito tempo a cerveja só podia ser fabricada no outono e no inverno. Esse período de temperaturas mais baixas era ideal para que os microorganismos de baixa fermentação atuassem no mosto, enquanto bactérias e leveduras ale ficavam inativas. Daí a cultura das lagers ser tão forte na Alemanha.

É seguindo a tradição e a paixão alemã (e utilizando apenas malte, lúpulo, água e levedura!) que a Schornstein produz desde 2006 suas premiadas cervejas. Aliás, só no ano de 2017 foram 6 cervejas premiadas, sem contar o prêmio de queridinha dos cervejeiros da Schornstein IPA, porque não tem como errar com ela.

Fonte: Divulgação.

Festival Schornstein

No ano em que a cervejaria completou 10 anos, uma nova tradição surgiu em Pomerode. O Festival Schornstein, que conta com atrações musicais e gastronômicas, além de muita cerveja boa, é um grande evento de rua, bem em frente à fábrica e acontece em junho, mês de aniversário da Schornstein. Vale ou não vale ir para o calendário cervejeiro?

Primeira edição do Schornstein Festival. Fonte: All Beers.

Fonte: Fábrica da Schornstein

Quer garantir seu ingresso e degustar a sua Schornstein? Então clica aqui e não fica de fora da festa mais esperada do ano, no calendário cervejeiro de Pernambuco.

 

Olinda: carnaval rima com cerveja artesanal

Por Clarice Concê

Olinda, quero cantar
A ti, esta canção
Teus coqueirais, o teu sol, o teu mar
Faz vibrar meu coração
De amor a sonhar
Minha Olinda sem igual

Salve o teu carnaval!
 [Hino do Elefante]

Fonte: Commons Wikimedia

Está chegando a hora de entoar a plenos pulmões e incontáveis vezes o hino que já deixou de ser apenas de um bloco e virou hino da cidade, do carnaval e de todos nós foliões. Mas se você acha que a gente espera a abertura oficial do carnaval para cair na festa, está muito enganada! As prévias carnavalescas estão acontecendo desde o ano passado e prometem deixar muita gente sem saber para onde ir nos próximos finais de semana. E também vão nos preparar para quatro dias intensos. Uma maratona física, sim, subindo e descendo ladeiras, com o sol brilhando sem piedade sobre nossas cabeças, muitas vezes sem poder guiar o caminho, sendo levadas pela multidão. Mas uma maratona cheia de riso, festa e cor, surpresa e encantamento. Porque o carnaval de Olinda é emoção à flor da pele, não importa quantos anos anteriores a gente já brincou.

Fonte: Wikipedia

Uma cidade que carrega em si tantas histórias, tanta tradição e cultura, só podia ser uma das pioneiras na trajetória da cerveja artesanal pernambucana. Pois foi lá em 2013 que os irmãos Acioli se uniram para transformar uma paixão em negócio e criaram a Duvália na mesma casa em que cresceram no bairro de Jardim Atlântico. Desde então a família Duvália só faz crescer. Hoje são cinco rótulos produzidos pela cervejaria: Weiss, American Pale Ale, Blonde Ale, Stout (com mel de engenho!) e a caçulinha Silibrina, uma American IPA.

Fonte: Divulgação

Fonte: Divulgação.

Por falar em Olinda, por falar em carnaval, já pensou como garantir uma cerveja artesanal nos dias de folia? Pois a Cervejaria Babylon pensou! A Casa da Babylon no carnaval de Olinda será um day use open bar numa localização privilegiada, bem na Rua Prudente de Morais. Além da participação de diversas cervejarias, o serviço ainda inclui outros tipos de bebidas alcoólicas, água, refrigerante, banheiros exclusivos, lounge e atrações musicais.

Fonte: Divulgação

A Babylon além de produzir a já conhecida German Lager, agora tem o reforço da Kaffe Amber Lager, uma breja artesanal com cold brew, fruto de uma parceria com a Kaffe Torrefação e Treinamento.

Fonte: Blog Arretado

E adivinha onde você vai encontrar Duvália e Babylon? Na melhor não-prévia não-carnavalesca em linha reta da América Latina: nosso querido QMTP!

Quer garantir seu ingresso? Então clica aqui e não fica de fora da festa mais esperada do ano, no calendário cervejeiro de Pernambuco.

 

 

 

Porque a maioria das garrafas de cerveja são da cor âmbar?

Por Patrícia Sanches

Para muita gente envolvida na área de cervejas artesanais, parece uma pergunta meio óbvia de se responder, mas muitos consumidores ainda desconhecem o que implica nas diferentes cores das garrafas de cerveja. A estética importa nessas horas? Sim, um pouco, mas todo o resto é pura ciência e tecnologia.

Ao longo da história da cerveja, temos registro do armazenamento das cervejas em jarros de barro e o serviço dessas “bebidas oriundas da  fermentação de grãos” eram feitos com canudos para que não se extraísse o precipitado da bebida, que estima-se ter sabor adstringente.

Fonte: Blog Egiptologia

Fonte: Bebida e bebidas

Porém, como contribuição dos romanos, temos o desenvolvimento da técnica de soprar vidro e consequentemente, as garrafas. Isso trouxe uma preocupação estética em relação ao líquido, que não tínhamos antes. Isso explica todo o nosso encantamento ao nos depararmos com as cervejas super filtradas, cristalinas, translúcidas.

O que é o vidro?  

O vidro é um óxido metálico super esfriado transparente, de elevada dureza, essencialmente inerte e biologicamente inativo, que pode ser fabricado com superfícies muito lisas e impermeáveis (Fonte: Zeta Embalagens).

Mas o vidro utilizado antigamente não comportava as pressões de CO2 do nosso líquido sagrado, então muita tecnologia está envolvida em uma simples garrafinha. Acompanhe o vídeo abaixo e veja como é feita a fabricação do vidro:

Segundo a O-I, as etapas de fabricação de uma garrafa são as seguintes:

ETAPA 1: A RECEITA
Na receita do vidro é utilizado: areia, calcário, carbonato de sódio e vidro reciclado. Em seguida, os ingredientes combinados são enviados ao forno para derreter.

ETAPA 2: FUSÃO
No forno eles aquece a mistura a cerca de 1.565 graus Celsius ou 2.850 graus Fahrenheit, criando vidro fundido.

ETAPA 3: A “GOTA”
O vidro fundido é removido do forno, esfriado a uma temperatura uniforme e cortado em “gotas” para formar os recipientes de vidro.

ETAPA 4: MOLDAGEM
As gotas são desviadas para máquinas de moldagem e, em seguida, moldadas para formarem os belos e funcionais recipientes de vidro.

ETAPA 5: ACONDICIONAMENTO
Os recipientes formados passam por uma máquina que os reaquece e esfria gradativamente para aliviar as tensões e fortalecer o vidro.

ETAPA 6: INSPEÇÃO
Por fim, os recipientes de vidro são inspecionados para assegurar que eles atendam aos padrões de alta qualidade. Aqueles recipientes que não atendem a esses padrões, são reciclados e fundidos novamente.

MAS E AS CORES?

Por meio de observação, as pessoas começaram a relatar que a cerveja exposta ao sol sofria alteração de sabor, aroma e cor e começaram a investigar.

Os cientistas descobriram que (dentre outros fatores) a luz do sol, interage com o lúpulo degradando-o, e consequentemente, geram off flavors (sabores e aromas desagradáveis).

Em condições normais, as isohumulonas são estáveis, porém há interações químicas (causadas pela riboflavina e pela luz) que fazem com que elas possam reagir com aminoácidos da cerveja, que consequentemente tem enxofre em sua composição. O produto disso são odores bem desagradáveis.  Em resumo: a luz fornece a energia para alterar as isohumulones, e a riboflavina catalisa a reação produzindo turbidez.

Então começaram a cobrir as garrafas de cerveja para protegê-las da bendita luz, assim como os óculos de sol, sacou? Logo, descobriu-se que se utilizassem garrafas mais escuras,  as cervejas poderiam se manter por mais tempo com as características originais.

Mas então, porque o mercado insiste em usar garrafas verde, por exemplo?

Fonte: O-I

Desenvolvimento de tecnologia e mercado, meu caro! Acompanha o raciocínio:

Como “descobriu-se que a cor escura protegia mais a cerveja, a demanda de vidro âmbar aumentou bastante. Então, quem tinha mais dinheiro investiu em pesquisas para que mesmo com uma garrafa transparente ou clara, as cervejas se mantivessem a qualidade. Daí, espalhou-se o boato mercadológico de que as cervejas que usavam vidros claros eram de qualidade superior, e as garrafas verdes, que se diferenciavam nas prateleiras viraram símbolo de status.

Hoje, em virtude da tecnologia de bebidas e das indústrias de vidro, este status não faz mais sentido, e a única justificativa para o uso de garrafas verdes ou transparentes é estético. Porém, ao utlizar essas garrafas, outros cuidados com o produto interno são necessários, mas isto é assunto para outro post.

Apesar de tudo isso, as garrafas âmbar ainda são as queridinhas dos cervejeiros, seja por tradição ou por proteção; e a Zeta Embalagens, nossa parceira no “Que Malte Pergunte… tem cerveja gringa aí?” lista 3 modelos mais comuns em relação a preferência dos cervejeiros artesanais. São elas:

Sobre a Zeta Embalagens

Desde maio de 2011, a Zeta Distribuidora de Embalagem atua nas regiões Nordeste e Norte do Brasil. Eles são distribuidora exclusiva dos produtos da maior fabricante de embalagens de vidro do mundo, sediada em Perrysburg, Ohio, EUA, e da A Silgan White Cap do Brasil, membro do Grupo SILGAN HOLDINGS INC., líder global no fornecimento de tampas metálicas, plásticas e compostas para os segmentos de alimentos e bebidas. A grande missão da Zeta Embalagens é distribuir produtos  que atendam as necessidades do mercado, criando relacionamento com cada cliente oferecendo soluções em embalagens.

Para mais informações sobre o portfólio da Zeta Embalagens, acesse o site da empresa clicando aqui.

Beijos lupulados.

Cervejarias Ciganas: você sabe o que são?

❤ Por Marias Bonitas

Olá pessoal! Querendo aproveitar que as Cervejarias Armorial e Iscuma Dog estarão presentes no Que Malte Pergunte 2018…

…trouxemos um assunto que trás muitas dúvidas entre os cervejeiros que sonham em ter própria cervejaria: “O que é uma cervejaria cigana?”.

É bom deixar claro que nada tem a ver com esse tipo de cigano! rs

Uma cervejaria cigana é um modelo de negócio bom para quem é cervejaria incubadora (aquela que recebe outras empresas em sua infraestrutura) e excelente para quem quer abrir a sua cervejaria sem grandes investimentos em infraestrutura (as empresas ciganos) e quer dedicar todo seu planejamento financeiro no produto final, a nossa boa e velha cerveja.

A expressão “cigano” quer fazer referência ao povo que é livre territorialmente (nômades), traduzindo isso para as cervejarias, são cervejarias que tanto faz estar em uma cervejaria quanto em outra. Mas vamos explicar isso melhor!

Fonte: Braumeister Brasil

Imagine uma microcervejaria que tem 2 tanques fermentadores. Logo, para encher todos, teoricamente (pois isso depende do tamanho da panela), essa cervejaria só utilizaria a parte quente do seu equipamento por 2x no mês. O restante dos outros dias, a parte quente estaria parada, e a parte fria em uso por 15 a 21 dias (ou mais a depender do estilo de cerveja). Isso significa tempo ocioso de equipamento que poderia estar sendo utilizado de forma rentável pela cervejaria incubadora. Concorda?

Então se eu sou um cervejeiro cigano existem várias formas de diminuir os custos fixos de uma cervejaria completa. Vejamos alguns tipos de acordos que podem ser feitos.

Quanto a compra/uso dos fermentadores:

  • Comprar um tanque fermentador e colocar na fábrica.
  • Usar os tanques da cervejaria incubadora.

Quanto a elaboração de receitas/produção:

  • O cigano pode elaborar a própria receita ou apenas sugerir o que quer de perfil sensorial e a cervejaria incubadora se encarrega de preparar a receita para que fique de acordo.
  • O cigano pode acompanhar a produção ou pode ele mesmo utilizar os equipamentos e fazer a sua própria cerveja.

Quanto a compra de materiais:

  • O cigano pode comprar seus próprios insumos, ou pode comprar coletivamente com todos os ciganos da fábrica, incluindo a cervejaria incubadora.
  • A cervejaria incubadora se encarrega da compra de insumos e isto já está calculado na planilha financeira para precificação final do produto acabado.

Entre outros acordos! O céu é o limite (ou o investimento rs)!

A Cervejaria Armorial é uma cervejaria Cigana e tem residencia na fábrica da Cervejaria Capunga (Igarassu-PE). Os seus rótulos mais conhecidos são: Blonde Ale (Galega) e Session IPA (Pirraia), porém agora, dia 05 de janeiro, estarão lançando mais um rótulo, a American IPA (Gringa).

Já a Cervejaria Iscuma Dog é a nova cigana no cenário pernambucano. Acabou de desenvolver seu primeiro lote de cervejas, produzidos na Cervejaria Patt Lou (Vitória de Santo Antão-PE) e lançará seu primeiro rótulo no “Que Malte Pergunte… tem cerveja gringa aí?”

Ambas cervejarias estarão presentes no evento mais esperado do ano! Então para conferir essas novidades, compra rapidão teu ingresso e vem se deliciar em 1000L de cervejas em modo OPEN BAR, com a chopeira aberta para o auto-serviço. É uma experiência única! Para compra de ingresso, clique aqui.

Beijos lupulados!